terça-feira, 11 de janeiro de 2011

A amizade como bagagem.


Há tempos atrás, conversava com um Amor sobre o sentido de algumas coisas, e dentre elas, o sentido da própria vida, bem como o motivo de vivê-la. Até então, humildemente, não acho que tenha encontrado a resposta para isso – mas também não acredito que estou longe dela.

É provável que tenha alguma relação com nossa bagagem e com aquilo que adquirimos ao longo dos anos. Ainda que saiba que tenha muitas coisas para conquistar, também não esqueço que já conquistei muitas delas, e é sobre algumas dessas vitórias que lembrarei agora: a amizade. Algo que não se compra, mas que se ganha em troca de muito esforço, e ainda que seja muito valiosa, não é difícil de perdê-la.

Conheci muitas pessoas enquanto o Velho que alguns chamam Tempo caminha com sua carruagem por essas terras. Muitas dessas pessoas já não vejo com a mesma freqüência que antes, o que não faz com que as Ame menos do que nos dias em que dividia meus dias com elas. Outras, ainda que tenha cruzado meus olhos e mãos por pouco tempo com as delas no começo, as trago ao lado do meu peito inseparavelmente. Não acho que seja diferente do resto do mundo, e isso não faz com que deixe de ser algo belo.

Ainda acho que a Vida é como uma teia, onde pessoas e experiências se cruzam e intercalam-se de forma inexorável fazendo com que muitas coisas mudem rápido demais e ainda em pouco tempo. Algumas amizades curtas, outras longas, todas foram amizades. Também não acho que possam ser medidas pelos dias que duraram, ou pela intensidade em que foram vivenciadas, simplesmente pelo fato de que não podem ser medidas. Amizade é amizade, bem como pessoas são pessoas. O que muda será o reflexo que imprimirão nas águas do nosso espírito. E pouco mais do que isso.

Que os deuses e demônios ainda protejam minha Sorte de encontrar pessoas maravilhosas como as que já encontrei até então, e também outras malditas para que ainda possa aprender com elas bem como sobreviver a elas. E que assim seja.

Detalhe de Leitora da Sorte (Caravaggio, 1571-1610).

6 comentários:

Gwyddyon disse...

ah desiste. vc nunca vai encontrar alguem como eu. NENNHUM carma é assim tao ruim. aloka.

fiquei curioso... quem é o "um Amor" no início do texto? x)

Poderosa disse...

Você pra mim é uma dessas amizades de que nunca vou esquecer... seus conselhos... nossas risadas... Amo você..
Noéle

Lugus Dagda Brigante disse...

Acordei rapidamente de um sonho. E senti que deveria ler.

Leo Carioca disse...

Se eu fosse fazer uma lista das pessoas que já passaram pela minha vida e que eu nunca mais vi, acho que essa lista formaria um livro.
Então, sei o que você tá querendo dizer, mas acho que é assim mesmo que funciona: as pessoas que ficam ´fixas` na vida da gente na verdade são minoria. Algumas delas, inclusive, a gente nem queria que fossem tão fixas, né?rs É inevitável lembrar que tem que conviver com certas pessoas e não soltar um certo suspiro de cansaço!
E outras, que a gente nunca mais viu, a gente ainda queria muito ter por perto.

Ever Faun... disse...

Ainda acho que a Vida é como uma teia, onde pessoas e experiências se cruzam e intercalam-se de forma inexorável fazendo com que muitas coisas mudem rápido demais e ainda em pouco tempo. Algumas amizades curtas, outras longas, todas foram amizades.
disse tudo.. curto seu blog faz tempo, e apenas hoje precisei comentar, pq essas palavras parecem q estavam na ponta da minha língua mas não saíam.. mto bom.. parabéns

Robson Rogers disse...

Que assim seja.