segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

A diferença entre Fé e Amor.

Por mais que ainda insistamos em tentar verbalizar aquilo que não pode ser dito, não acho que isso seja de todo o mal, desde que observemos com certo cuidado. Não é com muita dificuldade que depois de algumas perguntas vejamos nascerem outras delas ainda mais interessantes, bem como o Sol o faz depois de uma noite escura de inverno. Todos sabemos que Aquilo que não pode ser dito é horroroso e belo ao mesmo tempo. O que poucos sabem é que aquilo que não precisa ser escondido não é mais pobre que o outro.

Dissera Maria Rita certa vez “Se perguntar o que é o amor pra mim, não sei responder e não sei explicar. Só sei que o amor nasceu dentro de mim, me fez renascer, me fez despertar.” E assim, não acho que seja muito diferente do que ela disse. Acho que amar é doar-se, é completar-se sendo um só antes de qualquer coisa, mas estar disposto a trocar um olhar, um suspiro, um pedaço de carne.

Não acho que sentir Amor seja diferente de fazer amor. Busca-se e empreende-se algo, depois que gradualmente atingimos o que queríamos, rejubilamo-nos de prazer. Vem o descanso e depois de algum Tempo a experiência, e não muito raro que descobrimos, depois da Morte, algo que passou despercebido frente aos nossos olhos em Vida. Com o Amor, o homem descobre aquilo que ele renegou, e conhece-se a Si mesmo conforme pediu Sócrates alguma vez. Amando, ele dá em sacrifício, com um sorriso no rosto, o que tem de mais valioso – e que em outros tempos não faria sem lágrimas nos olhos.

Como se não bastasse, o homem que ama ainda sofre com o ser amado, entristece-se da mesma forma e desconhece o que é a indiferença. Aquele que ama jamais mente. Mesmo que em silêncio e com os olhos fechados, não sabe proferir algo além da verdade – e o mais interessante disso, é que não precisa de um livro sagrado para comprovar qualquer coisa. Com o Amor protegendo-o com Suas asas, ele descobre que é dono do mundo ao mesmo tempo em que entende que é um grão de areia numa praia deserta.

O homem que ama não é diferente do homem que ora. Bendito é aquele que comunga com os outros homens e mulheres, e da mesma forma aquele mesmo que apaixonou-se, um dia, pelos deuses.

Detalhe de Vênus, Cupido e o Tempo (Angelo Bronzino, 1540-45).

6 comentários:

Gwyddyon disse...

that's so interesting. e não é que vc, enfim, aprendeu não só o que é o amor mas como amar? =P

é tão bom ver um aluno finalmente não só se graduar como ultrapassar seu velho mestre... fica uma sensação de dever cumprido.

E que vc tb aprenda que da mesma forma que a vida, até mesmo o amor realizado tem um fim, ao contrário do sentimento que vive por si só. E que mesmo que uma das partes já não exista mais, isso não significa que o fim faça com que tudo o que vc viveu não tenha valido a pena.

Robson Rogers disse...

Complementando: não só apenas valeu a pena mas continua valendo a partir do ponto em que se percebe todas as transformações ocorridas durante ainda moram em nosso ser e modificam a nossa sorte. Esse é um dos motivos pelo qual acredito que todo amor é irreversível e único. Parabéns pelo texto. Love U

Lugus Dagda Brigante disse...

"Por mais que ainda insistamos em tentar verbalizar aquilo que não pode ser dito, (...) 'Se perguntar o que é o amor pra mim, não sei responder e não sei explicar. Só sei que o amor nasceu dentro de mim, me fez renascer, me fez despertar'(...)."

Pandumiel Tunmarë disse...

Amor além de ser a maior de todas as magias é tão sutil, invisivelmente belo e mais sensível que o toque da seda mais pura...

Impossível de classificar como sentimento, como força, como ato..

Sente-se... sabe-se... Basta-se...

I. disse...

Amor.. a força de Eros, cria tão instintivamente e de certa maneira não deixa de ser tão selvagem, não é?

:]

Bênçãos dos Antigos. =)

Diego ~ Ewan Thot disse...

Esse texto ficou tão bom. Acho que foi uma das melhores coisas que você já escreveu ou disse. Parabéns, de verdade.