quarta-feira, 30 de março de 2011

Entre os deuses e os homens

Sempre gostei de dias chuvosos como esses que têm-se mostrado. E quando caídas dos Céus, essas mesmas águas que são derramadas pelos deuses podem servir tanto para abençoar quanto para amaldiçoar - como tudo na Natureza que sempre foi e sempre vai ser. 

A diferença dos dias modernos frente aos tempos passados é que os homens esquecem-se que os caminhos dos Céus são caminhos de duas vias, e assim como se recebe, dessa forma também deve-se doar. É estranho quando são abençoados pelas águas que refrescam o calor e que também fazem com que cresçam nosso alimento, mas que em troca disso, refrescam-se e comem satisfeitos. Quando é diferente, quando presenciam as tempestades que destróem as colheitas e jogam ao vento algumas casas, é que lembram-se do Alto e pedem por auxílio.

Algo que aprendi no Caminho é que precisamos dos deuses, bem como eles também precisam de nós de alguma forma. Se acreditemos que os deuses podem nos abençoar ou amaldiçoar por algo, também devemos acreditar que existem motivos para isso. E se existem essas interferências, também existem Caminhos para que isso aconteça.

É importante dar e receber, sacrificar e regozijar-se. Não somente entre os homens.

Detalhe de As Danaides (Waterhouse, 1902).

8 comentários:

King disse...

é nossa energia que Os alimenta, e a energia Deles que nos absorve. É uma simbiose, aonde invocar um Deus frequentemente, nos torna parte Dele, assim como sua manifestação.

:D

Lindo texto parabéns, novamente.

Draku-Qayin vel Sabatraxas (a.k.a. Adriano Carvalho) disse...

Cada dia, tuas palavras estão mais e mais inspiradas pelas doces Musas...

...eita que me orgulho!

Leo Carioca disse...

Bom, se os deuses pretendem nos ensinar alguma coisa com uma situação dolorosa, inevitavelmente eles nos mostram motivo disso algum tempo depois.
A princípio, acho que o que a gente deve acreditar é que as coisas começam, duram algum tempo e depois acabam. Qualquer situação, seja ela boa, má ou indefinível, vai seguir esse itinerário. Mas o que vamos aprender com essa situação, só vamos aprender depois.
Um exemplo dessa mentalidade nós vimos recentemente foi no Japão, quando houve o terremoto e o tsunami. Os japoneses, como seguidores do Xintoísmo (pelo menos em sua maioria), sabem que o sofrimento começa, dura algum tempo e acaba. E agora, dentro do possível, a gente vê que eles já tão se reerguendo.
Quando uma catástrofe do mesmo tipo acontece num país em que a maioria da população é cristã, o que é que a gente vê? Pessoas gritando em desespero:

´´MEU DEUS! EU NÃO MEREÇO ISSO! MEU DEUS! A MINHA VIDA ACABOU!``

Simplificando: é o contraste entre a mentalidade pagã e a mentalidade cristã.

Robson Rogers disse...

"Se acreditemos que os deuses podem nos abençoar ou amaldiçoar por algo, também devemos acreditar que existem motivos para isso. E se existem essas interferências, também existem Caminhos para que isso aconteça."

Lembro de já ter conversado isso ctg. Na minha perspectiva, sempre há uma razão, um motivo para toda interferência. Entender os motivos não é necessariamente o mais importante. Saber lidar com as coisas e consigo é que se torna vital, em tempos como estes.

Qelimath disse...

Oi querido,

Passe no www.bruxariatradicional.com e pegue lá seu selo.

Queremos mesmo publicar seus links por lá.

Um beijo!!!

Katy

Belchior Torres disse...

Nossa querido que texto sublime, parabéns,o blog é excelente, é muito inspirador, que as aguas possam sempre fluir em seus pensamentos...

Nion disse...

Olá, vim comunicar que presentei o seu blog com o Selo Iluminador, espero que não se incomode:

http://sombradofreixo.blogspot.com/2011/04/selo-iluminador.html

Magnus disse...

Simplesmente- FANTÁSTICO!
Isso sem o Medida Certa ainda - que é melhor...

Traduz em poucas palavras o verdadeiro entendimento do que entendo por DESPERTAR.

BB