quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Sobre os sonhos e as videiras.

Quando aprendi como funcionam as videiras e o nascimento da uva, nunca mais esqueci desse conhecimento. Pra quem não sabe, as videiras em determinada parte do ano são constituídas de galhos secos e completamente mortos. Se você os quebrar, verá que seiva nenhuma circula por aquela madeira branca. Alguns meses depois, ao romper um dos galhos secos é possível perceber um verde fraco percorrendo por entre a madeira escura. Depois de outros meses nascem as folhas, e com o tempo, finalmente as uvas, começando por pequenos grãos verdinhos. É assustador perceber como a Vida pode nascer da Morte, fria e estéril. 

Não acho que nossos sonhos funcionem de forma diferente, de forma que a própria prática alquímica de transformar o metal em ouro também esteja relacionada com essas capacidades. É o conhecimento bruxo que pode dar vida ao que é morto, que pode transformar o que é estéril em algo vivo e extático. Nossos sonhos mundanos precisam ficar mortos por um tempo, para que só então possam renascer abençoados e fertilizados, deixando de serem projeções, mas tornando-se realidade. Afinal, é nas sombras que nossas capacidades são trabalhadas e desenvolvidas. 

Tão interessante quanto isso tudo é que Baco, o deus que protege os vinhedos, é conhecido como o deus que morreu duas vezes, só para depois renascer. Afinal, pra quem também não sabe, as uvas não nascem no primeiro ano em que as videiras são plantadas. É só no segundo ano com a seiva correndo por entre os galhos que os primeiros cachos de Vida começam a despencar. Lógico, se existir e cuidado e esforço por parte daquele que cultiva.

Portanto, quando os deuses não nos dão o presente esperado, não há porque não continuarmos com as oferendas. Algumas coisas precisam nascer e morrer várias vezes antes de prosperar. 

Detalhe de Midas e Baco (Poussin).


6 comentários:

Ever Faun... disse...

Você escreve com o coração, pois tuas palavras soam doces, como se tivessem alguém lendo e eu ouvindo.

Incrível isso!! Captou a essência da morte/vida/renascimento em poucas palavras.. Que magia você colocou nelas??? (rsrsrsrs)

parabéns, postagem perfeita :)

Katharina Dupont disse...

Tão simples mas de uma verdade absoluta, só quem vivencia esses ciclos consegue ter a paciência para esperar a colheita dos frutos generosos.

Heloisa Gomes disse...

Adorei o texto, é bem por ai mesmo. Nem sempre é fácil conseguir o que se deseja, mas sem esforço, persistência e paciência o que era difícil pode tornar-se impossível.

Eross Wertt disse...

que Baco te abençôe.
Te abençôo em nome de Baco.

Marcia Pinto Souza disse...

Incrível que para vc "um observador natural" tudo se torna analítico e tem algo de especial que se aflora ao menor olhar!!!Adorei este texto... algo que é de uma verdade absoluta nesses loucos dias onde as sutilezas são quase imperceptíveis!!!! Um pontinho de luz!!!

SHALI disse...

Simplesmente lindo, nos faz enchergar o que por vezes tentamos esconder de nós mesmos, esclarecendo dúvidas, tirando nossos tapa-olho para verdadeira essência da vida. Parabéns!