quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Porque a Bruxaria não é para todos.

Narciso (Caravaggio). A metáfora de
Narciso é a que 
melhor representa a jornada
feiticeira: o desafio de ()conhecer a si mesmo. 
Qualquer um pode ser um bruxo? Não, a Bruxaria não é para todos. Isso sem dúvida é um tipo de elitismo, e algumas pessoas de modo geral não compreendem o porquê de tanto mistério ou segredo que envolvem suas práticas pelo simples fato de ainda acharem que a Bruxaria é um tipo de religião, e ela não é. Recentemente um amigo me questionou, dizendo que todo religioso gosta de trazer pessoas à sua religião e quanto mais pessoas praticarem uma religião em comunidade, melhor. E eu, aparentemente, não faria questão disso no que toca a Bruxaria. Bom, esse tipo de mentalidade é comum porque as pessoas estão acostumadas com nossas religiões judaico-muçulmano-cristãs que são baseadas em noções proféticas de "salvação da humanidade", de "levar a Palavra", "trazer a Verdade" e outras coisas do gênero que inexistem - ao menos dessa forma - na Bruxaria. Até mesmo porque, repito, a Bruxaria não é uma religião. 

O Enforcado (Tarot
de  Marselha). Essa
carta do tarot simboliza
de forma muito eficaz
o caminho bruxo:
resignação e sacrifício.
A Bruxaria é um ofício, uma prática. Craft é a palavra inglês tradicionalmente usada para isso. Witch-craft. Witch, bruxo ou bruxa, tem a mesma raiz de Wizard, mago ou Wise, sábio. A Bruxaria, então, é a Arte dos Sábios. Esses sábios foram os curandeiros das aldeias, as benzedeiras e as parteiras do mundo rural, e as feiticeiras do urbano. Todas essas pessoas seguiam suas práticas à margem de uma religião oficial. Eram marginais, periféricas, e muitas de suas práticas não eram aprovadas por serem consideradas "idólatras" ou até mesmo "pagãs" pelo clero oficial da Igreja. Mesmo que não tenhamos dificuldades em encontrar curandeiros que abençoam em nome de "Deus Pai", parteiras que fazem orações à "Maria Mãe de Deus" antes de fazer o parto e benzedeiras que curam através dos "santos" católicos. Isso porque, repito, a Bruxaria é uma Arte Sem Nome e não é uma religião. Ela está a margem de toda religião. Ela é paralela e concomitante, como rios que correm separados, por vezes se encontram em uma baía, mas depois continuam seguindo seu rumo diferente até cairem na imensidão do mar. 

Pã (Fonte desconhecida). As pessoas
dizem que hoje já não existem 

perseguições, mas muitos ainda
relacionam essa simpática
divindade ao diabo do Cristianismo.
Pra arriscar trilhar o caminho da Bruxaria, o neófito precisa se despir de todos os seus pré-conceitos sobre a Vida e o Mundo, precisa assumir sua ignorância, precisa estar disposto a sacrificar alguns momentos de prazer para leituras, precisa sacrificar outros para escrever, e ainda muitos outros para conversar de perto com a Natureza, através de orações, rituais ou seja o que for. Esse neófito precisa entender que o mundo é plural, é rico e diverso, e entende que individualidades podem conviver perfeitamente num cosmos organizado. Esse neófito um dia vai entender que tudo é certo e que tudo também é errado. Ele deve saber que nunca uma religião ou espiritualidade estará "errada" por causa das suas práticas. Precisa respeitar o momento de calar e de guardar segredos. E tudo isso é muito difícil: nem todos  estão dispostos a pagar esse preço. É por esse simples argumento explica porque a bruxaria nasceu para todos, mas nem todos nasceram pra Ela. 

E se aqui cabe um comentário pessoal: À essas pessoas que perguntam "como faz para entrar", a resposta é simples: estude, leia muito e através dos seus ritos converse com o Mundo e a Morte que o cerca. Com o tempo, as pessoas certas aparecem e tudo se encaminha. Magicamente. 

13 comentários:

brunodiniz disse...

Muito bom! Estou adorando acompanhar seu blog e ler seus texto. Ótimos para informar e refletir.

Robson Madredeus disse...

De fato aquele que resolve entrar para os caminhos da bruxaria precisa fazer a longa e muitas vezes dolorosa caminhada para dentro de si, ao longo desta caminhada outros buscadores aparecerão. O bruxo é um eterno buscador, é aquele que não se conforma com as coisas pura e simplesmente como lhe foram transmitidas, quer ir além e vai. Quem está neste caminho entende perfeitamente aquele velho ensinamento que diz "uma vez bruxo, sempre bruxo, não tem como retornar" de fato os que retornam nunca estiveram ali, porque não nos tornamos bruxos, nos descobrimos bruxos. e depois de fazer esta descoberta é que passamos a praticar a magia todos os dias, em todos os instantes. Mais uma vez, uma belo texto Odir, que os Deuses continuem lhe inspirando tão positivamente. Paz e Luz!

Inês disse...

Seu último parágrafo resume tudo. Nas horas certas, as pessoas certas aparecem e as descobertas se dão sozinhas.

Carol Carvalho disse...

Excelente, como sempre. Não sei pq é tão difícil as pessoas entenderam que nem tudo é pra todo mundo e, sobretudo, o ofício da bruxaria NÃO implica necessariamente a algum compêndio religioso. Há aquelas que até associam uma prática mágica a um contexto religioso, mas isso não é regra. É preciso desmistificar isso!!!

Mathetés Glaukopis. disse...

Eu quero/preciso desta caminhada para dentro de mim... quero ir atrás. Digamos que preciso saber por onde e como começar.

AugustoCrowley disse...

Adorei o texto também, diz o ditado que o mestre aparece quando o aluno ta pronto, de certo modo é assim com tudo creio.Abraços1

Ghad Arddhu disse...

Gostei bastante do texto, Odir. Me lembrou muito o que me motivou a escrever esse texto: http://www.axisdraco.com/o-que-e-bruxaria/

abraço!

roberto quintas disse...

[modo ironico on]
como assim? a bruxaria não é uma palavra de origem celtíbera? a bruxaria não é uma religião? a bruxaria nunca precisou nem protelou para ser legalizada? a bruxaria não é algo que nunca esteve associado ao cristianismo? masmasmas...meu professor do conselho de bruxaria tradicional, aquele que está fazendo mestrado em antropologia [em uma misteriosa instituição - Hogwart] falou que é assim e é lógico que ele está certo...ou não?
[modo ironico off]

Josafary Campelo disse...

Muito bom Odir...mais um texto brilhante que faço questão de ler...assim como os outros que vc já escreveu e com certeza outros que virão.
Estou um pouco afastado do meu lado espiritual...mas seus textos estão me trazendo de volta (aos poucos) ao meu lado natural...continue assim cara...

Robson Rogers disse...

Gostei do texto, e concordo que nem todos nasceram para a bruxaria, mas que ela, de qualquer forma, nasceu para todos.

Apenas creio que seja complicada a afirmação de que bruxaria não é uma religião. Me soou como os espíritas, dizendo que o espiritismo não é uma religião mas uma ciência ou doutrina.

Entretanto, confesso que meu conceito de religião pode ser precário em demasia para compreender a afirmação do texto.

Ainda assim, creio integralmente que pelo menos a bruxaria é uma crença. O que deve ser diferente de religião, talvez para outras pessoas.

Parabéns.

DracuLilith disse...

Estou adorando seu blog, gostaria que você desse sua opinião sobre a banda de pagan rock, Inkubus Sukkubus. Obrigado. Algumas das músicas deles:
Aradia
Belladonna & Aconite
Craft of The Wise
Enchantment
Midnight Queen
Song to Pan
Trinity
Wytches

Anônimo disse...

Quando leio seus textos, meu espírito explode de alegria, meu coração acelera... ao mesmo tempo uma paz infinita invade meu ser. Sinto a mesma sensação que senti há 12 anos atrás, quando iniciava meus dias de decicação... sinto que ainda existe um infinito para ser descoberto. Parabéns Odir, você é motivo de orgulho para nós pagãos. Que os antigos te abençoem hoje e sempre, para que mais e mais você possa iluminar os que estão ao seu redor! Abençoado seja!

Emanuel disse...

...e que bom que é assim.
Pensando na ressonância d'O Enforcado n'A Imperatriz e n'O Mundo. E indo além, como sempre.
Obrigado.