quinta-feira, 1 de novembro de 2012

O Bebê de Rosemary (Roman Polanski, 1968)

Este é um dos clássicos do terror e é provável que muitos aqui já conheçam este filme. O Bebê de Rosemary trata de uma série de questões, sendo essencialmente um filme de mistério antes de mais nada. Toda a história gira ao redor da neurose de Rosemary como se houvesse uma teoria da conspiração ao redor de si e do seu filho. É só no final que descobrimos o que realmente aconteceu. 

A história começa com Rosemary (Mia Farrow) e seu marido Guy (John Cassavetes) se mudando para um apartamento em Nova York. Lá encontram um curioso casal de vizinhos que, a cada dia que passa, intrometem-se cada vez mais na vida do casal. Guy, a princípio a contra-gosto, acaba por se afeiçoar dos vizinhos e começa a agir estranhamente com a esposa. Após muito tempo desempregado, Guy misteriosamente consegue um trabalho e as coisas começam a melhorar para a vida de ambos, mas não tanto para Rosemary que então engravida, o que deixa a esposa e o marido muito felizes. 

O restante da trama não vou contar, pois acabaria com o mistério do filme. Ao meu ver, um dos melhores atrativos da história e a neurose e o clima de "teoria da conspiração" que gira ao redor de Rosemary. Somos levados a crer que a mulher está certa e que todos à sua volta conspiram para que não descubra o que realmente está acontecendo. A sensação de ser aprisionada, de estar sendo enganada e de ser acusada de louca quando, na verdade, louco são os outros (ao menos aos olhos do expectador) é algo que angustia e prende a atenção de quem está acompanhando a história. 

O Bebê de Rosemary levanta questões interessantes no que toca às bruxas popularmente conhecidas na  década de 60 com uma pitada de folclore remanescente: elas se organizam em grupos geralmente de 13, celebram seus rituais secretos com danças e música, muitas vezes nuas, mas ao mesmo tempo que sacrificam e invocam ao Diabo. A questão da figura da mulher em plena era da contracultura e da libertação sexual também é evidente na história com a quase que total submissão de Rosemary ao seu marido. 

Os vizinhos são personagens-chave para entender a história.
Aqui, Rosemary acorda arranhada depois de um "sonho".
Guy Rosemary.
Minnie Castevet, interpretando a vizinha Ruth também foi indicada a prêmios por melhor atriz coadjuvante.
Rosemary no momento culminante do filme. 

Mia Farrow recebeu prêmios e indicações de melhor atriz, bem como Roman Polanski a indicação de melhor diretor e melhor roteiro adaptado. Baseado no romance homônimo de Ira Levin, o filme é tido como um dos melhores do gênero na história do cinema e eu particularmente não discordo disso. 

Para assistir: Filme + Legenda
Sobre o filme: Colorido, áudio em inglês e legendas em português. 
Palavras-chave: Bruxaria, Feitiçaria, Neurose, Medo, Mistério, Pacto com o Diabo, Contemporaneidade.

Veja aqui os outros filmes do blog.

Nenhum comentário: